O cérebro do terrorista: concepções holísticas e o apanhado do conhecimento neuroanatômico e neurocientífico

  • Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues PhD, neurocientista, mestre psicanalista, biólogo, historiador, antropólogo, com formações também em neuropsicologia, psicologia, neurolinguística, neuroplasticidade, inteligência artificial, neurociência aplicada à aprendizagem, filosofia, jornalismo e formação profissional em nutrição clínica - Diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências da Logos University; Membro da Federação Européia de Neurociências e da Sociedade Brasileira e Portuguesa de Neurociências. Universidades em destaque: Logos University, Nova de Lisboa, Faveni, edX Harvard, Universidad de Madrid. https://orcid.org/0000-0003-0112-2520

Resumen

A neurociência tem uma colaboração efetiva para o conhecimento do funcionamento cerebral embasando-se em sua neuroanatomia. O terrorismo são atos desumanos e violentos que podem estar relacionados com a estimulação neural, sobretudo no córtex pré-frontal onde os terroristas tem uma maior estimulação devido a constante doutrinação. Assim, os objetivos deste estudo de cunho qualitativo, exploratório e sistemático foi realizar uma breve revisão sobre como funciona o cérebro de um terrorista bem como, a contribuição da neurociência para tal compreensão. Os materiais foram levantados em bases de dados online. É prudente acreditar que estes indivíduos tenham uma maior estimulação neural, sobretudo nos lideres e que os doutrinados sejam moldados culturalmente dentro de um fundamentalismo o que lhes dá uma satisfação em cometerem tais atos.

Palabras clave: terrorismo, fundamentalismo, SNC, doutrinação

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

BARRETO, J. E. F.; SILVA, L. P. Sistema Límbico E As Emoções – Uma Revisão Anatômica. Revista Neurociências. S.L. V.18, N.3, p.386-394. 2010

BATIGÁLIA, F. Técnicas filosóficas no aprendizado anatômico. Revista de Divulgação Científica da Sociedade Brasileira de Anatomia, ano 1, v. 1, jan. 2010.

BARTOL, C. R.; BARTOL, A. M. Criminal behavior: A psychological approach. Upper Saddle River, NJ: Pearson, 2014.

BEAR, M. F.; CONNORS, B. W.; PARADISO, M. A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. Artmed editora, 2002.

CAPLAN L.R., Caplan’s stroke: a clinical approach, 4a edição, Philadelphia, Elsevier Inc., 2009.

COSTA, Marina Gentil da.Terrorismo: evolução histórica e emergência do ISIS. 2018. 33 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Especialização em Relações Internacionais, Relações Internacionais, Unb, Brasilia, 2018. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/24342/1/2018_MarinaGentilDaCosta_tcc.pdf. Acesso em: 03 set. 2021.

DICIO, Dicionário Online de Português. Terrorismo, 2021. Disponível em: https://www.dicio.com.br/terrorismo/. Acesso em 04 de set. 2021.

DYCE, K. M.; SACK, M. O.; WENSING, C. J. G. Tratado de anatomia veterinária. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

GEORGETO, S. M.; ZICIARELL, C. A. M.; AGUIAR, L. R.; GARIBA, M. A.; FERNANDES, K. B. P.; COLIONE, A. G. G.; PESENTE, F. S.; SAMPAIO, M. G. Evolução Cronológica do Conhecimento Neuroanatômico: Da Antiguidade ao pós-Renascimento - Parte 1. JBNC - JORNAL BRASILEIRO DE NEUROCIRURGIA, v. 25, n. 2, p. 127 - 135, 26 mar. 2018.

GOMES, C. C.; DE ALMEIDA, R. M. M. Psicopatia em homens e mulheres. Arquivos brasileiros de Psicologia, v. 62, n. 1, p. 13-21, 2010.

GONÇALVES, J.B.; REIS, M.V. Terrorismo: conhecimento e combate. Impetus, Niterói, v. 2, n. p,. 45-55, 2017.

HILDEBRAND, M. Análise da Estrutura dos vertebrados. São Paulo: Atheneu, 1995. p. 263.

JACOB, B. T. O conceito de terrorismo em Igor Primoratz. In: VIESENTEINER, J.L ; BARBOSA, M. T. Deleuze, Desconstrução e Alteridade, São Paulo: ANPOF, p.197. 2019.

KONKIEWITZ, E. C. Tópicos de neurociência clínica. Coleção Cadernos Acadêmicos, 1º ed. UFG, 2010.

KÖNIG, H. E.; LIEBICH, H. G. Anatomia dos animais domésticos: texto e atlas colorido. Porto Alegre: Artmed, 2002. v. 1.

MARTINI, F. H.; TIMMONS, M. J.; TALLITSCH, R. B. Anatomia Humana-: Coleção Martini. Artmed Editora, 2009.

MARTINS, J. C. L.; DE ALMEIDA, I. N. S. Contribuições da neurociência cognitiva para a educação no ensino superior. Humanidades & Inovação, v. 6, n. 9, p. 225-232, 2019.

MEIXNER, J. B., ROSENFELD, J. P. A mock terrorism application of the P300-based concealed information test. Psychophysiology, S.L., v.48, n.2, p.149–154. 2011. https://doi.org/10.1111/j.1469-8986.2010.01050.x

MORANA, H. C. P; STONE, M. H.; ABDALLA-FILHO, E.. Transtornos de personalidade, psicopatia e serial killers. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 28, p. s74-s79, 2006.

MOREIRA, R, P.; JUNIOR, E. R. C. O fenômeno terrorismo: entendendo a violência e os objetivos de um terrorista. O Alferes, v. 27, n. 71, 2017.

MOREIRA, A. C. M. et al. Prossecção de peças de encéfalos humanos para estudo neuroanatômico em cursos médicos. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 5, p. 47354-47360, 2021.

NARVAES, Rodrigo Furini. Comportamento agressivo e três neurotransmissores centrais: dopamina, gaba e serotonina: uma revisão sistemática dos últimos 10 anos. 2013.

RAMOS, E. C. M.; DOS SANTOS FIGUEIREDO, W.. Terrorismo: Um Legado Histórico E Sua Caracterização Na Plataforma Midiática. Ciência Geográfica - Bauru - XVI - Vol. XVI- (2): Janeiro/Dezembro - 2012 p. 195.

RELVAS, M. P. Neurociência e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 5. ed. Rio de Janeiro: Wak Ed, 2011.

RODRIGUES, F. A. Como funciona o cérebro de um terrorista. Impala News, S.L, v. 5, n. 1, p. 1-2, 2021. Disponível em: https://www.impala.pt/noticias/atualidade/como-funciona-o-cerebro-de-um-terrorista/. Acesso em: 04 set. 2021.

SIERRA-FITSZGERALD, O.; MUNÉVAR, G. Nuevas ventanas hacia el cérebro humano y su impacto en la neurociencia cognoscitiva. Revista Latinoamericana de Psicologia, Bogotá, n.39, v.1, p.143- 157, 2007.

SOARES, H. et al. O nó górdio do ato terrorista: réplica ao conceito de terrorismo proposto por Adriano Teixeira. Revista de Estudos Criminais, v. 19, n. 78, p. 131-156, 2020.

SOUSSUMI, Yusaku. Tentativa de integração entre algumas concepções básicas da psicanálise e da neurociência. Psicologia clínica, v. 18, p. 63-82, 2006.

SPINELLA M.; WAIN, O. Las bases neurales de las creencias morales, religiosas y paranormales. Pensar: revista latino-americana para la ciencia y laá razón. S.L, v. 04, n. 02, p. 01-08, 2018. Disponível em: https://archives.centerforinquiry.org/pensar/las-bases-neurales-de-las-creencias-morales-religiosas-y-paranormales/. Acesso em 06 de set. 2021

TORRES, S. O Cérebro das Operações: o terrorista de fato e de ficção. Matraga. Rio de Janeiro: Ed. Caetés, v. 14, p. 117-139, 2002.

WAINBERG, J. O poder das palavras e das idéias: o caso do fundamentalismo islâmico. Revista FAMECOS, S.L, v.14, n. 34, p. 14-123. 2007.

WOOLGAR, Alexandra et al. Fluid intelligence loss linked to restricted regions of damage within frontal and parietal cortex. Proceedings of the national academy of sciences, v. 107, n. 33, p. 14899-14902, 2010.

Publicado
2021-11-30
Cómo citar
Agrela Rodrigues, F. de A. (2021). O cérebro do terrorista: concepções holísticas e o apanhado do conhecimento neuroanatômico e neurocientífico. Ciencia Latina Revista Científica Multidisciplinar, 5(6), 11060-11072. https://doi.org/10.37811/cl_rcm.v5i6.1153
Sección
Artículos