Transferência de tecnologia e desenvolvimento sustentável: o critt- ufjf e sua trajetória

  • Josane Gomes Weber Oliveira Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Albertina Dos Santos Souza Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Marcelo Garcez De Oliveira Universidade Federal de Juiz Fora
  • Geovane Silva Xavier Universidade Federal de Juiz de Fora
Palabras clave: inovação, transferência de tecnologia, desenvolvimento sustentável local e regional

Resumen

Termos como desenvolvimento sustentável e desenvolvimento local e regional vem sendo cada vez mais associados a outros como inovação, transferência de tecnologia e empreendedorismo. Os Núcleos de Transferência de Tecnologia- NITs presentes nas Universidades Federais tem contribuído sobremaneira para que essa associação saia da teoria e passe à prática. O presente trabalho pretende apresentar a trajetória do Centro Regional de Inovação e Transferência de Tecnologia – CRITT da Universidade de Juiz de Fora e seu papel, até o momento, no desenvolvimento local e regional por meio de seus rocessos finalísticos bem como sugerir possíveis ações que permitam uma maior interação da Universidade com a comunidade em seu entorno. Utilizou-se a pesquisa documental de forma a levantar as realizações do Centro, relacionando-as com o levantamento das teorias sobre o assunto além de outras experiências já relatadas em artigos científicos. Evidencia-se o quanto um organismo como o CRITT pode e deve contribuir para o desenvolvimento regional sustentável, sendo mais uma importante contrapartida que as IFEs oferecem à sociedade.

Citas

AGUSTINHO, E. O.;GARCIA, E. N.Inovação, Transferência de Tecnologia e Cooperação. :

Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v. 9, n. 1, p. 223-239, jan./jul. 2018

ALVES FILHO, J. Matriz energética brasileira: da crise à grande esperança. Rio de Janeiro: Mauad, 2003

ARANTES, A. P.; SERPA, C. V. O modelo da tríplice hélice como fator de desenvolvimento de Santa Rita do Sapucaí. In: XXII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas .ANPROTEC, 2012.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável: metodologia de planejamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

CARAYANNIS, E. G.; RAKHMATULLIN, R. The Quadruple/Quintuple Innovation Helixes and Smart Specialisation Strategies for Sustainable and Inclusive Growth in Europe and Beyond. Journal of Knowledge Economic. v. 5, p. 212–239, 2014.

CHESBROUG H, H. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press, p. 272, 2003.

CLOSS, L. et al. Intervenientes na transferência de tecnologia universidade-empresa: o caso PUCRS. Revista Administração Contemporânea. Versão online, v.16, n.1, p.59-78, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/10923/9979 Acesso em: jul. 2019

CENTRO REGIONAL DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

(CRITT) –UFJF (a). Empreendedorismo. Disponível em: https://www.ufjf.br/critt/incubadora-de-empresas/ Acesso em: jul. 2019

CENTRO REGIONAL DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA

(CRITT) –UFJF(b). Transferência de Tecnologia. Disponível em: https://www.ufjf.br/critt/setores/transferencia-de-tecnologia/ Acesso em: jul. 2019.

DE BRITTO, C. M. Sustainable Community Development: A Brief Introduction to the Multi- Modal Systems Method. Systemic Practice and Action Research, v.24, n.6, p.533-544, 2011. ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The Triple Helix—University-Industry-Government relations: A laboratory for knowledge based economic development. EASST Review, v. 14, p. 14–19. 1995.

INSTITUTO EDUVALDO LODI (IEL). Manual de transferência de tecnologias ecoeficientes: Projeto de Apoio à Inserção Internacional de Pequenas e Médias Empresas PAIIMPE / Instituto Eduvaldo Lodi, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. – Brasília : IEL/NC, 2011. Disponível em: https://old.abdi.com.br/Estudo/VersaoWeb_ecoeficiente.pdf Acesso em: jul. 2019

LABIAK, S.J. Método de Análise dos Fluxos de Conhecimento em Sistemas Regionais de Inovação. 235 f. tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento). Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

LOTUFO, R. A. A institucionalização do Núcleo de Inovação Tecnológica e a experiência do Inova UNICAMP. In: SANTOS, M. E. R.; TOLEDO, P. T. M.; LOTUDO, R. A.

Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleo de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi, 2009, p. 41 – 73.

MACEDO, N.M.M.N; CÂNDIDO,G.A. Índice de Desenvolvimento Sustentável Local e suas influências nas políticas públicas: um estudo exploratório do município de Alagoa Grande- PB. Gestão da Produção, v.18, n.3, São Carlos, 2011.

MILANI, C. Teorias do Capital Social e Desenvolvimento Local: lições a partir da experiência de Pintadas (Bahia, Brasil). Salvador: Escola de Administração da UFBA (NPGA/NEPOL/PDGS), 2005.

MINEIRO, A,C; et al . Da Hélice Tríplice a Quíntupla: Uma Revisão Sistemática

E&G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 18, n. 51, Set./Dez., 2018.

OCDE; FINEP. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3.ed., 2005. Disponível em: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e- financiamento/manualoslo.pdf Acesso em: jul. 2019

OLIVEIRA, J.G.W. Fatores de Atração e Fixação de Empresas de Software em Juiz de Fora: uma análise sob a ótica do desenvolvimento sustentável.142 f. dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção).Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2005. .

PAULISTA, G.; VARVAKIS G.; MONTIBELLER-FILHO, G. Espaço emocional e

indicadores de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade. Campinas v. 11, n. 1, p. 185-200 Jan.-jun. 2008.

PEARCE, D. W, Sustainable Development. Futures, v. 20, n. 06, p. 598-605, 1988. PETITINGA, C. S. Desenvolvimento Local. In: ALMEIDA, M. C. F. Mais definições em trânsito. Salvador: Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/maisdefinicoes/DESENVOLVIMENTOLOCAL.pdf.

Acesso em: jul.2019

PIMENTEL, L. O. Direito industrial. As funções do direito de patentes. Porto Alegre : Síntese, 1999 PORTER, M. E. Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, v. 12, p. 95-117, 1991.

PÓVOA L. M. C.; RAPINI, M. S. Technology transfer from universities and public research institutes to firms in Brazil: what is transferred and how the transfer is carried out. Science and Public Policy, v.37, n.02, 147-159, 2010.

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUIZ DE FORA (PMJF) – COMDEMA Disponível em:

https://www.pjf.mg.gov.br/conselhos/comdema/index.php Acesso em: jul. 2019.

REZENDE, A. S. Transferência de Tecnologia e o Desenvolvimento Econômico: uma análise jurídica no âmbito da construção do Satélite Geoestacionário Brasileiro. Disponível em:https://www.portalintelectual.com.br/transferencia-de-tecnologia-e-o-desenvolvimento- economico-uma-analise-juridica-no-ambito-da-construcao-do-satelite-geoestacionario- brasileiro-2/#_ftn1 Acesso em: jul. 2019.

RODRIGUES, R.C.; CARVALHO, Z.V. O papel da formação e da difusão da cultura da inovação e do empreendedorismo como instrumento para o desenvolvimento da quíntupla hélice.In: XXIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Anais [...] Belém - PA, 2014.

ROMAN, V.B.;LOPES,M.T. de P. Importância da Transferência de Tecnologia Realizada nas Universidades Brasileiras para A Alavancagem da Competitividade do País no Cenário Econômico Mundial. Iberoamerican Journal of Industrial Engineering, Florianópolis, SC, Brasil, v. 4, n. 1, p. 111-124, 2013.

ROSA, L. ITSM: um caso de sucesso do modelo Tríplice Hélice. Brazilian Journal of Management / Revista de Administração da UFSM, Vol.7, p.55-70, 2014.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SANTANA, E. E. P. S.; PORTO, G. S. E agora, o que fazer com essa tecnologia? um estudo multicaso sobre as possibilidades de transferência de tecnologia na USP-RP. RAC, Curitiba, v. 13, n. 3, art. 4, p. 410-429, jul-ago., 2009

SANTOS, M. E.; SOLLEIRO, J. L. Relações universidade-empresa no Brasil: diagnóstico e perspectivas. In: J. AUDY E M. MOROSINI (Org.), Inovação e Empreendedorismo na Universidade, EDIPUCRS, Porto Alegre, p. 346-376, 2006.

SHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (UFJF) (a). Programa de Incentivo à Inovação na UFJF 2008. Disponível em: https://www.ufjf.br/critt/institucional/parque- tecnologico/programa-de-incentivo-a-inovacao/ Acesso em: jul. 2019 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA (UFJF)(b). Números expressivos consolidam inovação na universidade. Disponível em: https://www2.ufjf.br/noticias/2018/12/18/numeros-expressivos-consolidam-processo-de- inovacao-na-universidade/ Acesso em: jul. 2019

YOON, J.; YANG, J; PARK, H. Quintuple helix structure of Sino-Korean research collaboration in science. Scientometrics. v. 113, p. 61–81, 2017.

WORLD ECONOMIC FORUM. The Global Competitive Report 2017-2018. Disponível em http://www3.weforum.org/docs/GCR2017-2018/05FullReport/TheGlobalCompetitivenessReport2017%E2%80%932018.pdf Acesso em: jul. 2019

Publicado
2020-10-17
Sección
Artículos