Não somos violentos, nossa mente que vive em constante conflito

  • Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues
Palabras clave: conflito mental, instinto, hormônios, emoções

Resumen

Estamos em constante conflito mental, temos menos momentos de felicidade e mais momentos de preocupação. Nosso instinto está sempre nos colocando em prontidão, trazendo memórias negativas que definem nosso posicionamento sobre a situação. A questão é que o nosso mecanismo de defesa, o sistema imunitário da psiquê, dentre nosso instinto para a sobrevivência ele tem os mecanismos de fuga, ataque ou paralisia e a escolha de qual reação ocorrerá vai de acordo com a personalidade do indivíduo, alguns, partindo para o ataque, sendo agressivos. Nosso organismo não sabe distinguir o ataque do leão da perda de emprego, como são os mesmos locais a produzir hormônios e neurotransmissores para o medo, as emoções são similares. Um acúmulo de memórias negativas acarreta no molde da personalidade e nas reações comportamentais na vida do indivíduo. Tendo a personalidade de priori, derivada da genética e da educação, uma influência determinante na reação do indivíduo. Ou seja, há uma discussão sobre sermos ou não violentos por natureza e essas são as variáveis envolvidas nessa questão. De onde vem a vontade de brigar do homem? Essa vontade tem raízes biológicas? É uma questão que coloca os cientistas em conflito. O ser humano está disposto a defender vigorosamente sua posição, a rigor ninguém sabe ao certo porque dá um soco

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013.

BEAR, M. F., Connors, B. W., & Paradiso, M. A. Os Mecanismos da Emoção no Encéfalo. In Bear, M. F., Connors, B. W., & Paradiso, M. A. (Orgs.), Neurociências: Desvendando o Sistema Nervoso. Artmed, 2017.

BOES, A. D., Tranel, D., Anderson, S. W., & Nopoulos, P. (2008). Right anterior cingulate: A neuroanatomical correlate of aggression and defiance in boys. Behavioral neuroscience, 2008.

COCCARO, E. F., McCloskey, M. S., Fitzgerald, D. A., & Phan, K. L. Amygdala and orbitofrontal reactivity to social threat in individuals with impulsive aggression. Biological psychiatry, 2007.

GOPAL, A., Clark, E., Allgair, A., D’Amato, C., Furman, M., Gansler, D. A., & Fulwiler, C. Dorsal/ventral parcellation of the amygdala: Relevance to impulsivity and aggression. Psychiatry Research: Neuroimaging, 2013.

PARDINI, D. A., Raine, A., Erickson, K., & Loeber, R. Lower amygdala volume in men is associated with childhood aggression, early psychopathic traits, and future violence. Biological psychiatry, 2014.

Publicado
2022-08-31
Cómo citar
Agrela Rodrigues, F. de A. (2022). Não somos violentos, nossa mente que vive em constante conflito. Ciencia Latina Revista Científica Multidisciplinar, 6(4), 2800-2811. https://doi.org/10.37811/cl_rcm.v6i4.2799
Sección
Artículos

Artículos más leídos del mismo autor/a

1 2 > >>